Já fui muitas coisas. Já estive tantas outras. Já mudei de opinião e me reinventei diversas vezes. Já acertei, já errei, disse coisas em que não acredito mais e acredito em outras que antes não acreditava. Não me envergonho de quem eu fui, de quem eu sou e de quem eu serei. Rio de mim mesma, amadureço, vivo! Hoje sou apenas um bichinho de estimação curioso, ávido por novas brincadeiras e desafios. Um bichinho que gosta de brincar, ronronar, se esfregar, mas que também arranha um pouquinho às vezes. Um bichinho que não sabe se definir, mas que com toda a certeza ainda sabe SENTIR. E eu sinto que eu não posso mais viver sem o BDSM na minha vida. Eu preciso vivê-lo intensamente. Eu preciso me entregar a esse fetiche, esse desejo, essa loucura, como quer que chamem, mas eu preciso. O tempo passa, as coisas e pessoas mudam, mas uma coisa prevalece em mim: Essa vontade que me consome, esse desejo em ter meu corpo dominado, minha mente subjugada, meus desejos cedidos a outro. E eu prossigo, me perdendo em labirintos, abrindo e fechando portas, tentando encontrar uma saída que me leve de encontro aos meus desejos mais secretos.=^.^=

Escrito por princess kitty

Inception, is it possible?

By 龍戦士


Para quem lembrou do título em inglês, ou identificou a imagem acima, já imagina do que vou falar. O filme “A Origem” (Inception), causou grande impacto na população, a crítica gostou, o público também e até hoje existem discussões e mais discussões sobre o filme, seu caminho, seus acontecimentos e o final.

O filme basicamente gira em torno de uma idéia “absurda”, inserir uma idéia em uma pessoa e com isso fazê-la reformular e redefinir seu caráter e decisões. Digo “absurda”, pois infelizmente, ou felizmente ainda não existe tal equipamento ou tecnologia para que o que acontece no filme seja possível, porém o quanto de realidade tem essa história? É possível roubar idéias do subconsciente de uma pessoa, coisas que ela tenta esconder?  A resposta é simples, sim é totalmente possível, empatia, conhecimento do outro, habilidade de leitura de face, seja lá o qual for a técnica ou o nome que queira dar a essa capacidade, é perfeitamente possível um ser humano absorver, entender e assimilar idéias e conceitos internos e subconscientes de outra pessoa sem mesmo que ela perceba ou queria que você saiba. Mas não cabe a esse texto discutir ou mesmo ensinar como se faz esse processo.

A questão discutida aqui é o lado inverso, o lado que o filme toma, não a extração de informação, mas a inserção, que assim como retratada no longa metragem é bem mais complexa que o caminho inverso. E aí retomo a pergunta do título: “Inserção, é possível?”, mais uma vez respondo a pergunta, sim, é totalmente possível. Agora onde isso se encaixa no contexto BDSM? Bom, para quem não entendeu ainda...

BDSM, mais específicamente o “lado” D/s, baseia-se exatamente no que significa o “D”, dominação, mas seu lhe pedisse nesse exato momento para definir dominação, o que diria? Controle absoluto, poder ilimitado, imposição e subjugação? Se sim, muito bom, conhece nossa língua, porém o conceito da palavra (assim como de quase tudo) é um tanto quanto subjetivo e oscilante. Dentro do SM por exemplo, sinceramente acredito que dar ordens, humilhar e forçar, não bastam, não é o todo da dominação, acredito que vai além, bem além. Por isso procurei em minha vivência BDSM me especializar no lado psicológico, na D/s, mais especificamente na “dominação indireta” ou subjetiva. Por isso me tornei grande fã do filme, vejo a idéia da implantação de uma idéia no alvo como algo extremamente fascinante, pois o que há de mais poderoso e impositivo que não apenas forçar alguém a fazer algo, mas efetivamente forçá-lo a acreditar nos seus ideais? Alguns podem chamar de manipulação, e sim, não deixa de ser, mas não da forma maldosa ou vil como todos pensam ao ouvir essa palavra. Encoleirar uma submissa e obrigá-la a tarefas, práticas e situações das quais ela teoricamente não deseja é sim dominar, pois é uma forma de imposição, mas ainda não vejo como o ápice dessa, porém entrar na mente da submissa e formatá-la de modo que ela própria passe a acreditar que deseja tal situação, isso sim considero como dominação em seu sentido mais puro, dominar o físico é possível e consideravelmente fácil, dominar o psicológico é que é o verdadeiro problema, encontramos muitos casais SM nos quais as submissas ou submissos estão sujeitos a muitas situações que seus Donos e Donas impõe, mas isso é o físico, não necessariamente o psicológico, posso aceitar passar por uma situação desagradável se tiver algo que de meu interesse que ganharei em troca daquilo, reconhecimento, respeito, conhecimento, dinheiro ou outros bens materiais, e muitas submissas se sujeitam e aceitam passar por práticas “desagradáveis”. Porém e se conseguisse chegar ao ponto de não simplesmente aceitar passar por essa situação, mas efetivamente desejar a situação desagradável em si? O conceito mudaria completamente, o interesse baseado em terceiros some, e torna-se apenas da pessoa consigo mesma, passar por algo desagradável por que QUER passar, por que DESEJA e tem prazer com isso. E a sub nessa hora, já está dando nós na cabeça de tanto tentar entender a si mesma, cheia de dilemas, dúvidas e tentando se entender: “Como posso desejar passar por algo desagradável se não ganharei nada em troca?”. Bom, a resposta é simples, por que o conceito que a fez desenvolver essa crença, idéia e fetiche não são seus, são externos, vieram de fora, mas de forma tão sutil que sequer percebeu e agora acredita que o desejo é totalmente próprio é criado por você e somente você. Complexo, delicado, mas acontece, e assim como no filme, parece impossível, mas é totalmente plausível, basta ter os conhecimentos e estratégias corretas para isso, e lógico, saber como aplicá-los.

Isso sim, em meu conceito é a definição completa de dominação, não ter apenas a opção de controle consciente, mas também inconsciente do sujeito.  Em toda minha vivência BDSM, sempre busco exatamente esse ponto, chegar ao nível de controle subconsciente, inserir idéias e fetiches na sub de forma que ela passe a gostar. Nada é mais prazeroso para mim que observar a submissa desejando uma situação ou prática da qual desgostava há um tempo atrás, e o principal, saber que esse desejo e fetiche foram “implantados” em sua mente.  É um trabalho complexo, longo e difícil, mas é possível, e aqui entra a questão também de superação de limites, muito vejo se falar sobre isso, mas poucos vejo que realmente sabem com fazê-lo, como se superar um limite da submissa? Muito bonito e “romântico” dizer que irá fazê-la superar seus limites e se entregar de forma completa, mas realmente todas as pessoas que falam isso sabem como fazê-lo? O mais importante, sabem até onde querem chegar e onde parar?

Questões bem complicadas e confusas, porém existentes, e como dito, aí entra a questão de inserção de idéias, a partir do momento que o dominante é capaz de controlar a capacidade de modificar o comportamento submisso com novas idéias, é possível quebrar-se praticamente qualquer limite e reverter qualquer desgosto ou falta de interesse. É uma questão relativa, concordo, e muitos podem dizer que o prazer real está em justamente ser forçado a tal coisa, e realmente é verdade, porém não estou descartando essa hipóteses ou prática, estou apenas ressaltando que ALÉM do forçar, existe o controlar e esse pode ser tão ou até mais prazeroso que submeter a submissa a uma prática de seu desgosto.

Vejam bem, é tudo uma questão de referencial e ângulo pelo qual observa a situação, já recebi uma crítica da seguinte forma: “A partir do momento que a sub deseja de certa forma as situações, e você as aplica sendo que a agrada também, o submisso da relação é você, não ela, pois só está fazendo as coisas que ela quer.”

Discordo totalmente, se tiver uma submissa com limites fortes com castidade forçada por exemplo, porém conseguir fazê-la passar a desejar, não estou me dobrando para a sub, pelo contrário, estou fazendo com que ela se dobre sem sequer perceber isso, pois sim ela agora deseja a situação e terá prazer com isso, porém quem a fez passar a desejar fui eu e o mais importante, por mais desejo que ela tenha, a situação em si continua sendo “ruim”, nenhuma pessoa gostaria de ficar em castidade em sã consciência, certo? ERRADO, e aí que está a “mágica” terrível da inserção de idéias, a sub está desejando passar por algo que ninguém teoricamente são passaria, e mais uma vez, o dominante quem fez isso com ela, portanto, de forma alguma o submisso da relação é ele, e ela nesse momento, estando “perdida” e em intermináveis dilemas acaba se entregando e abrindo mais ainda com o Dono, justamente na busca de entender.

Outra discussão que se forma em torno dessa questão é a do entendimento, muitos vêem essa questão e pensam, como vou saber se a “evolução” da sub foi realmente uma idéia implantada ou simplesmente uma mudança normal de seu consciente? Afinal de contas, teoricamente em algumas visões, o indivíduo é produto do meio, portanto se o meio dela a levou e a levaria independente da presença do dominante ou não a passar a desejar isso, é possível? Sim, claro que é, somos seres de constante mudança e evolução, e afirmo, não é possível em 100% dos casos distinguir se a idéia é original da pessoa ou se realmente foi implantada, mas independente de ter sido ou não, a questão é: “Chegou ao ponto que o dominante gostaria?”, pois mais uma vez, isso é relativo, a idéia original é da submissa, mas o que a levou ela a chegar nessa conclusão? Enfim... são voltas e mais voltas, explicações e aprofundamentos cada vez maiores, porém por mais que se aprofunde no assunto e por mais que o tente ramificar, sempre chegará numa mesma solução, independente de por qual meio, é possível “manipular” outra pessoa para passar uma crença ou desejo iguais aos seus.

Existem muitas formas de se fazer uma crença virar descrença ou desgosto virar gosto, uns mais eficientes, outros nem tanto, porém grande parte dele, são conscientes, carisma é uma delas. O grande desafio é o de se trabalhar o subconsciente, trabalhar aquilo que nem a própria pessoa percebe ou entende, fazer isso requer muito tempo e dedicação, e digo que se assemelha muito ao filme em questão. Divulgar uma idéia para alguém, por mais que a pessoa se interesse e goste, não é original, ela sabe que é uma idéia de terceiros, não é criação própria, a complexidade está em se achar a forma mais simples, porém ao mesmo tempo mais abstrata da idéia em questão, chegar a um conceito tão sutil e convincente que se desenvolverá numa crença da forma que o dominante deseja. Quem lembra bem do filme, está entendendo o que quero dizer. Não basta a mim como dominante mandar minha gatinha usar um cinto de castidade e dizer “É gostoso”, preciso me aprofundar, encontrar o conceito mais abstrato em suas experiências que a levarão a iniciar esse fetiche de ser controlada quanto a seu prazer mesmo a distância, por si só de forma que seu próprio cérebro entenda que o fetiche é original e criado por ela.

Impossível? Utopia? Pode parecer, e muitos vão achar, cada um tem sua crença e eu sei até onde vai a minha e até onde posso prová-la para que me arrisque discursar sobre ^^.

龍戦士


18 comentários:

{princess kitty}龍戦士 disse...

Oi Sr!

Lembro da primeira vez em que conversamos sobre esse filme. E tbm do sms que me enviou me avisando a hora que passaria no HBO rsrs. E eu corri para assistir (e juro que não foi por causa do lindoooo do Leo di Caprio hahaha)

Mas voltando ao assunto do post, tbm lembro de quando conversamos sobre isso e sobre as sutilezas desse tipo de dominação e inserção de idéias :) ( justo eu que sempre achei as minhas idéias tão originais rsrs) fui obrigada a rever alguns pensamentos e coisas que antes eu jamais pensaria em fazer no BDSM e que hoje desejo ardentemente, como se sempre houvesse querido isso. Acho que ficamos algumas horas (pra variar) discutindo o tema, o Sr me explicando, eu questionando, e como sempre chegamos a mais pontos em comum nos nossos pensamentos e maneiras de ver e viver o BDSM. Essa teoria do filme é muito interessante e pode ser aplicada de várias maneiras em muitas situações que não apenas o BDSM, mas aqui no BDSM ela é sim um meio de dominação e como tal deve ser aplicada com cuidado e responsabilidade.

No final eu me apaixonei pelo filme (juro que não foi pelo Di Caprio) e claro fiquei com a mente cheia de novas idéias inseridas pelo Sr rsrsrs

Miaubeijos da SUA {kitty} que o adora muitooooooo =^.^=

{Mansinho}_da Loirinha disse...

CARAMBAAAAAA QUE SAUDADE... SEM TEMPO DE PASSAR EM UM POR UM DOS POSTS QUE PERDI (MAS MINHA DONA SEMPRE ME CONTA TIM-TIM POR TIM-TIM) EU IA SÓ NO DA FOTO LINDAAAA QUE VC ESTÁ COM A MÁSCARA QUE ELA ME FLW, LHES PRESTIGIAR...MAS... EU NÃO RESISTI, PORQUE EU NÃO RESISTO MESMO QDO VENHO AQUI E... FUI LENDO LENDO E.... POR TODOS OS DEUSES DO BDSM MINHA IRMÃNZINHA!!! COMO VC DEFINIU ABSOLUTAMENTE BEM... OLHA EU AINDA NÃO ASSISTI INFEEELIZMENTE MAS, COM CERTEZA SERÁ O PRÓXIMO QUE ASSISTIREI...

QDO VC DEFINIU A DOMINAÇÃO NO SEU TEXTO, QUE PRECISÃO, SÓ MAIS UMA ENTRE TANTAS E MUITAS QUE VIRÃO, QUE DÃO A CERTEZA DE QUE QUANDO ""SE SENTE"" INTENSAMENTE, SÓ QDO SE SENTE EM TOTALIDADE "CAÇA E/OU CAÇADOR, PROPRIETÁRIO E/OU PROPRIEDADE" É QUE SE PODE COM TANTA PRECISÃO FALAR TÃO BEM....

ABÇÃO TRIPLO A TI E TEU DONO MINHA IRMÃ... ADOREI.... SAUDADES...BJS....

Mister K disse...

Caro 龍戦士

A mente humana trabalha de várias maneiras e acho que se para conseguir penetrar na mente/alma/coração de uma submissa e molda-la para se tornar aquilo que desejamos com obediência total e servidão sem limites o uso do exemplo dado no filme pode funcionar muito bem.

Saudações à ti e a bela kitty.

Mister K

Cadela submissa disse...

SENHOR

Gostei muito quando vi este filme e gostei de saber da relação dele com o BDSM.

Beijos respeitosos

http://cadelices.blogspot.com/

Jessica Submissa disse...

Senhor Dono da kitty

Muito bom entender um pouco mais do que se passa pela cabeça dos Dominadores. Ótimo post.

Saudações ao Sr e beijinhos na minha miguxa.

OLD SORCERER disse...

Querida Princess Kitty,

Estou retornando após ter tido o meu blog removido sem aviso ou satisfação, aos poucos espero repor todas as postagens que foram deletadas, perdoe-me por este inconveniente.

Um beijo com carinho.

Desejos e Fantasias de Casal disse...

Interessante...



beijos


Cris e Junior
http://desejosefantasiasdecasal.blogspot.com/

Cecilia submissa romântica disse...

É muito gostoso poder dar prazer ao Dono da maneira que ele quizer. E fazer isso com prazer e desejo é melhor ainda. Gostei do post.

Meus respeitos Senhor

cecilia submissa romântica

Zéfiro disse...

Não sou meio bdsm mas tenho bastante interesse em aprender sobre dominação e submissão e o que me atrai é mais essa parte psicologica de controle do outro mesmo. Muito bom.

Zéfiro

http://zefiroesuaszeferices.blogspot.com/

Helena Blue Moon disse...

Hummmm, vou me arriscar por aqui… rsrsrs

A manipulação psicológica, em geral, é fato corriqueiro. Não é incomum vermos palavras, frases e atos aparentemente inocentes, mas que na verdade ocorreram numa atitude calculada e cujo fim é induzir alguém a fazer/pensar, ou não, algo. Esse algo não precisa ser necessariamente ruim, mas geralmente é fundado no interesse pessoal de quem manipula. Se a manipulação dá certo, não tenho dúvidas de que o ser objeto disso foi dominado, mesmo que só quanto ao assunto da dominação.

Muitas vezes o ser manipulado até nota o que está ocorrendo e deixa seguir, imaginando intimamente que por saber da manipulação ele não está sendo dominando, mas sim domina, pois só está naquela situação porque deseja. Eu discordo, eu acho que ele continua dominado, só que pelo “encantamento” que produz a manipulação do outro…

Quando essa manipulação é realmente bem feita, o ser manipulado “morre” defendendo que a idéia ou vontade ou o que seja partiu dele mesmo, que não foi influenciado por nada, nem ninguém.

Mas voltando ao ponto, rsrsrs, a dominação psicológica que você fala é muito mais requintada e difícil. Requer energia, vontade, dedicação e responsabilidade. Só quem tem verdadeiro prazer no ato que aguenta a jornada de tempo integral necessária, pois você fala de uma manipulação mais profunda, não apenas levar alguém a fazer algo específico ou isolado, mas levar aquela pessoa a inverter inteiramente algo enraizado nela. Isso não tem como ser feito à ligeira… requer uma “sintonia fina” que é muito difícil de alcançar.

Eu não sou do universo BDSM, mas o que vejo daqui de fora é que a dor e a força são muito mais exaltados que o aspecto psicológico da dominação. Muito pouco se fala disso.

Independente de meu olhar ser externo, acho que apenas uma pessoa que não enxerga a habilidade necessária para tal dominação pode dizer que o objeto dela deixa de ser paciente para ser agente… É o raciocínio típico gerado pelo simples e puro desconhecimento da causa…

Bem, como você e Kitty podem ver, eu acho que isso não é apenas possível, é real. Seja dentro ou fora do BDSM. A questão é que a intensidade necessária para o tipo de dominação que foi colocada é facilitada (veja, não mais fácil, mas sim com circunstâncias mais favoráveis) se for dentro do BDSM. E o melhor de tudo, é consensual, mesmo que inconsciente ao objeto.

Beijo grande nos dois e que vcs continuem sempre em “sintonia fina”…

PS: Eu não vi o filme. Mas vou tentar assistir no fim de semana. Qualquer coisa volto aqui para desdizer ou acrescentar, rsrsrs

Dorei Fobofílica disse...

Eu não vi o filme, mas sei que não é nada impossível inserir ideias e mudar a personalidade e forma de ser de uma pessoa, para isto basta ter afinidade, capacidade, tempo e dedicação, por isto existe a dominação psicológica, quanto a fazer isto de forma não permitida acho muito errado, mas dentro do BDSM isto acontece, ou deve acontecer de forma consentida.

Vou guardar o nome para assistir.

Ótima semana ao Sr. Dragon e a querida Kitty, começando com um delicioso fim de semana!

P.S.: Kitty, deixa te contar em primeira mão um "segredo", depois de quase quatro meses de agastamento, eu e o meu Dono voltamos. :DDD Feliz, feliz eu estou!

Conde Vlad disse...

MUUUUUUUUUUUITO BOM O ASSUNTO TRATADO.

Eu acho o seguinte: Que você não fala de Dominação, mas sim de DOMINADO.

É isso mesmo. Essa é a diferença. O Dono, conseguiu atravez da dominação, te dominar. Agora, você faz tudo o que ele pede, sem restrições, agora você faz porque também gosta, foi condicionada a gostar daquilo. Em nenhum momento do texto, eu conseguí enxergar o inverso que seria a Sub dominando o Dom. É uma questão de experiência.

Enquanto os críticos estão no processo de dominação, e ainda são forçados e experimentados pelos seus donos, são incapazes de compreender uma relação D\s na qual a sub esteja totalmente dominada pelo DOM.

Realmente são tratamentos diferentes. Mas creio eu que não há nada melhor para uma relação D\s do que o dono pedir e a sub atender de pronto sem questionar nem nada. Isso é Submissão no seu mais alto grau.

Entendí correto o seu raciocínio???

Beijão do Conde.

Escarlatte disse...

Saudade de você Gatinha; Não some,volta aquiiii...

LOIRINHA KSADA... disse...

Querido Sr Dono da Gatinha.. rs Em primeiro lugar venho dizer que já puxei a orelha do Mansinho..kkk é um atrapalhado incorrigível, e entrou aqui (como sempre já de olhinhos brilhantes (com td respeito)..rs pq aqui ele entra com uma identificação e carinho pela nossa Gatinha ), e nem havia se dado conta da autoria do texto...kkk Mas já se dislumbrou com o conteúdo do post, e depois, como deve saber, rs tratou correndo de se desculpar via email..rs Bem, agora que já falei de Mansinho..... rs Vamos ao SR...
Que alegria vê-lo postando, e que maravilha de texto heimmm, alegria por saber a alegria que traz á nossa Gatinha também em estar neste cantinho que é TÃO especial para ela (e para todos nós que gostamos de ambos ..rs).
Ahhh claro.. não poderia vir aqui e não falar nada para vc né Gatinha.... kkkk achou que eu ia sair daqui sem dizer que seus "Miaubeijos e Miaumimos " via email são sempre motivo de alegria para nós? rsrs Deixo hj 6 bjinhos .. rs bjs bjs bjs ao Sr, e bjs bjs bjs a gatinha querida ...rsrs

SexyButterfly disse...

Sr 龍戦士 e Kitty querida

Já havia lido esse texto no dia que foi publicado e não comentei na hora porque a cabeça borbolética aqui estava pensando no "ser ou não ser", pertencer ou não... Enfim, Kitty já leu e comentou no casulo, adorei!

Sobre o filme, vou dizer que já tentei assistir duas vezes e dormi, nas duas. Complica muito, eu durmo, rss Mas prometo que se um dia eu tentar assistir de novo, será com um novo olhar, com certeza!

Respeito e admiro MUITO relações BDSM como as de vcs. E a proposta da qual cheguei mais perto era algo parecido, mas mesmo assim, acho que ainda não é hora.

Kitty querida, adorei sua sugestão de batermos papos sobre isso...rss

Beijos borboléticos aos dois!

Desejos e Fantasias de Casal disse...

Passamos para desejar um bom feriado....


beijos


Cris e Junior
http://desejosefantasiasdecasal.blogspot.com/

龍戦士 disse...

Acredito sim que não viu o filme só por causa dele... quando falei que era com ele, os olhinhos felinos aí até brilharam hahahahahahaha... brincadeira.
Mas falando sério, minha gatinha, fico feliz que perceba a realidade disso, que conversemos, que entenda e o mais importante, que confie em mim o suficiente para se abrir e deixar o Dono levá-la por esse caminho e essa fantasia, nada é mais prazeroso para um Dono que perceber sua sub se entregando e confiando, assim como sei que um dos maiores prazeres da sub é o de poder se entregar, se abrir totalmente sem medo algum, pois sabe que pode confiar ;)

Beijos, minha gatinha linda e muito querida!
龍戦士

龍戦士 disse...

Obrigado a todos que tomaram tempo para ler, que se interessaram e principalmente, aos que comentaram:

mansinho - É meu caro, acho que confundiu a autoria, mas não se preocupe, não tem problema, até por que realmente participava bem pouco nos posts anteriormente, o importante é que tenha gostado e se identificado.

Mister K - Exatamente, meu caro, o nível de dominação que falo aqui é muito mais sutil, porém de mais efeito que a comumente falada, exatamente como no filme, buscando o que disse.

cadela submissa - Fico feliz que tenha gostado do filme e lógico, pelo tema do post.

jessica submissa - Muito obrigado! E fico feliz que tenha entendido um pouco mais, pois se estiver sendo feito, nem é percebido pela sub e se for para o "lado errado", é um problema, tem que sempre estar atenta.

Desejos e Fantasias de Casal - Muito obrigado!

cecília - Está certíssima, até por que se a sub tem prazer também, acaba se dedicando mais. ^^

Zéfiro - Pois é meu caro, somos dois, o que mais me atraiu no BDSM lá atrás, quando iniciei, foi justamente a parte psicológica.

Helena - Parabéns, minha cara! Acertou em cheio e foi exatamente no ponto chave de toda a questão que quis desenvolver aqui, adorei seu comment, muito obrigado e por favor, volte sim assim que assistir.

dorei - Pois é minha cara, a grande questão é justamente a barreira entre o permitida ou não, o Dom tem que ter noção, responsabilidade e consciência de até onde ir ou não.

Conde Vlad - Bom meu caro, acho que também se enganou com a autoria, mas mesmo assim, é bem por aí onde tocou, a direção da dominação é sempre do Dom para a sub, não o inverso.

Loirinha Ksada - Hahaha... esse puxão de orelha, foi ótimo. Mas muito obrigado, minha cara, eu só faço a minha parte de Dono ;) rsrs.

SexyButterfly - Calma, é só assistir num dia que não esteja cansada, tomar uns copos de café que o problema está resolvido rsrsrs. Mas todos temos nossa hora, e você é quem mais pode saber se ela chegou ou não, de qualquer forma, quando chegar, será muito bem vinda.

Saudações
龍戦士

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...